Por favor aguarde enquanto
processamos o seu pedido

Índia, as tribos desconhecidas

Outubro de 2024

13 dias / 11 noites | Autor: António Barroso Cruz

Esqueça tudo o que pensa que sabe, e o que conhece, acerca da Índia. Porque esta é uma proposta de viagem que o vai levar ao desconhecido, às origens, à alma doce e ternurenta dos povos tribais de uma Índia por descobrir pelos viajantes, mesmo os mais viajados. Uma Índia genuína, uma Índia intocada, uma Índia "escondida", uma Índia fascinante e pura, uma Índia de paz e meditativa, uma Índia serena e bela, uma Índia que só poderia ter lugar aqui: nos destinos maravilhosamente (im)prováveis. Um mosaico de experiências que vai ficar para toda a vida! Autor: António Barroso Cruz Locais a visitar: Calcutá, Bhubaneswar, Dhenkanal, Nuapathna, Dhauli, Pipli, Konark, Puri, Phulbani, Rayagada, Jeypore, Vishakhapatnam Partida de Lisboa: 23 de outubro de 2024

desde
4.132 €
por pessoa


ITINERÁRIO DETALHADO:



Depois do embarque em Lisboa estamos, finalmente, a chegar a Calcutá.
O representante local da Abreu vai estar à nossa espera no aeroporto para nos levar até ao hotel onde teremos o quarto a partir das 14h00.
Calcutá, conhecida como a "capital intelectual" da Índia por aqui existir uma concentração de pessoas ligadas à música, à literatura, à composição, ao cinema e à gastronomia, foi a capital aquando da presença britânica em terras hindu. Como tal consegue manter muita da traça vitoriana e os elétricos. Entre tantos nomes que se destacam, realçam-se os de Madre Teresa e o de Tagore (Nobel da Literatura).
O que nos restar do tempo de hoje é para descansar e prepararmo-nos para os próximos [fantásticos] dias. O jantar de hoje está incluído no hotel.


Hoje sim, já temos visitas incluídas!
Uma sucessão de edifícios de traça colonial, o Tribunal, o Writer's Building, a Igreja de São João, a Câmara Municipal, e a Praça Dalhousie, são alguns dos locais por onde iremos passar para melhor sentir a pulsar da cidade. Assim como o Memorial Victoria e a catedral de São Paulo. O almoço não está incluído, mas o jantar sim, no hotel.


Pelo que, e após o pequeno-almoço, seguimos para o aeroporto para apanhar o avião para Bhubaneswar. A duração do voo anda pelas duas horas.
Bhubaneswar é conhecida como "cidade-templo" de Índia. Quer isto dizer que possui mais de 2000 templos e é um dos destinos de peregrinação mais procurados em todo o país. É precisamente nesta atmosfera ancestral e espiritual que vos convidamos a entrar num género de viagem no tempo ao longo do dia de hoje.
O dia termina com uma visita ao Museu Orissa de Artes Tribais, que possui uma rica coleção de peças que contam a história das 62 tribos que consideram Orissa como a sua casa. O almoço é livre e o jantar está incluído no hotel.


Um trajeto por terra durante o qual é possível visitar Lalitgiri, um dos maiores centros de budismo do país. Bem como Ratnagiri, também ela importante referência do budismo Mahayana. E ainda Joranda, famosa pelo bairro religioso de Mahima Dharma, pois é aqui que o culto Mahima tem a sua génese, exemplificada por uma série de templos que emprestam uma cor muito própria e um ambiente propício à meditação.
O almoço de hoje é servido no caminho e em formato "picnic box".
E, por fim, chegamos a Dhenkanal para alojamento e jantar (no hotel).


Mas por outro caminho, pois importa visitar a arte de Dokra, em Sadei Bareni, pois foi ela que colocou o distrito de Dhenkanal nas bocas do mundo.
Esta é uma localidade onde vivem 45 famílias com mais de 130 artesãos. Todos pertencentes a tribos locais e que mantêm viva este ofício que podemos sentir e admirar localmente.
Os artesãos locais são repetidamente convidados a participar em seminários, feiras internacionais, workshops e afins, para poderem mostrar ao mundo a arte em que são mestres, e únicos, em todo o mundo.
Depois desta inesquecível experiência, a viagem segue para Nuapathna, famosa pela sua arte de tear que poderemos vivenciar pessoalmente e, quem sabe, experimentar.
Vamos dormir a Bhubneshwar e jantar no hotel. O almoço de hoje não está incluído.


Entre Bhubaneswar e Puri há que parar obrigatoriamente em Dhauli, já que é aqui que existe um dos mais importantes editais de Ashoka, antigo imperador que reinou naquela que é praticamente hoje a Índia atual, mas recuando ao século III antes de Cristo. A pedra onde se encontra gravado é considerada uma das maiores estruturas antigas da Índia.
E como ficaria mal passarmos al largo de Pipli, aldeia famosa pelo seu artesanato e bordado, vamos perceber o significado e dimensão destas artes que correm mundo.
Chegamos a Puri, alojamo-nos e temos o jantar no hotel.
O almoço, já em Puri, é livre.
Puri, enquanto local de referência, é um dos quatros locais mais importantes de peregrinação em toda a Índia, salientando-se, por um lado, o templo Jagannath, por outro as belas praias de areia dourada.


Durante a manhã vamos visitar o Templo do Sol em Konark.
Considerado o zénite da arquitetura religiosa de Odisha é também um dos mais espetaculares testemunhos religiosos edificados a nível mundial. Construído no século XIII pelo rei Narasimhadeva, foi desenhado sob a forma de uma carruagem com 24 rodas puxada por sete cavalos, carregando o deus-sol Surya através dos céus.
O resto do dia, já de regresso a Puri, fica livre para descanso ou atividades de carácter pessoal. O almoço é livre e o jantar está incluído no hotel.


Deixamos Puri para trás, arrecadado no baú das inesquecíveis memórias, e temos como destino a cidade de Phulbani.
Pelo caminho paramos na aldeia de Olasingh para admirar a arte de tear em modo primitivo e conservado até aos dias de hoje.
Em seguida vamos até ao Lago Chilika, localizado numa lindíssima e dramática paisagem. Independentemente da sua beleza e dimensão, é considerado uma das joias da coroa do estado de Orisha. Pássaros para todos os gostos e espécies, assim como golfinhos, são observáveis no entorno deste lago. Naturalmente que não poderia deixar de estar incluído um passeio de barco pelo lago para observação das espécies de pássaros que fazem deste local o seu habitat.
Ao chegarmos a Phulbani alojamo-nos e jantamos no hotel.
O almoço de hoje está incluído. O mesmo acontecendo nos próximos dias (exceção feita para o último), seja em trajeto, seja nos hotéis onde iremos ficar alojados.


Aldeias tribais é o objetivo principal do dia. O objetivo maior que nos traz a esta viagem e a esta parte da Índia tão por conhecer.
As aldeias de Kutia Kondha são o destino. Tribos estas que acreditam no xamanismo, como por exemplo a dos kuitakondhas, uma "micro secção" da tribo kondha que habita as colinas de Belghar, e cujas mulheres ostentam tatuagens no rosto e carregam uma série de adornos no seu corpo.
Após esta experiência imperdível, continuação para Rayagada para alojamento e jantar.


A tribo que termos oportunidade de visitar hoje é a Dongariya, uma das etnias originais do Estado de Orissa. Autónoma, orgulhosa, clã exogâmico, têm preservado as raízes da sua cultura e tradições milenares. Será mais um contacto de proximidade com um dos povos mais característicos desta Índia de tantos desconhecimentos.
Chegada a Jeypore e alojamento com jantar.




A tribo que termos oportunidade de visitar hoje é a Bondas, constituída por cerca de 6000 membros, de origem tibetana-birmanesa, que vive em colinas remotas mantendo-se isolada na sua labuta diária de cultivo e gado. Um recuo absolutamente fantástico no tempo!
Os bondas só se deixam ver quando precisam de mercantilizar os seus produtos, ocasião em que se podem admirar as ornamentações das mulheres e cabeças rapadas com motivos coloridos.
Ainda hoje iremos ter a oportunidade de visitar a tribo Gadabas, que falam uma linguagem de grupo muito própria, o gutab e o dravidic. É importante saber que a tribo Gadabas é uma das mais primitivas existentes em todo o mundo.
Chegamos a Koraput e temos mais uma inesquecível experiência: um trajeto em comboio panorâmico até Jeypor com a duração aproximada de 1h30.
Chegada e alojamento com jantar.


De manhã fazemo-nos à estrada para um trajeto de cerca de 6 horas entre estas duas cidades, pois será nesta última que apanhamos o avião de volta a Calcutá.
À chegada transporte para o hotel e jantar. O hotel de hoje é apenas para refrescamento e jantar, pois em seguida tomaremos o avião de regresso a Portugal.



Em hora a determinar localmente transporte para o aeroporto e formalidades de embarque com regresso a Portugal via Dubai.

Passagem aérea Lisboa/Calcutá/Lisboa em classe económica
Passagens aéreas domésticas Calcutá/ Bhubaneswar e Vishakhapatnam /Calcutá em classe económica
Franquia de bagagem
Taxas de aeroporto, segurança e combustível (347 €)
Transporte entre aeroporto/hotel/aeroporto
Todos os percursos em viatura local privada, seja em van ou minibus
11 dias em alojamento e pequeno-almoço, conforme descrito no programa
8 dias em pensão completa
4 dias em meia pensão
Todas as entradas, passeios e visitas mencionadas no programa
Acompanhamento de autor, e guia local (em espanhol e/ou inglês)
Seguro Multiviagem PVFM
Taxas hoteleiras, de serviço e IVA

Passaporte
Bebidas às refeições
Gratificações aos guias e motoristas locais
Bagageiros
Extras de carácter pessoal e tudo o que não estiver especificado como incluído
Despesas de reserva por processo (não por pessoa)

Informações importantes:
Este programa opera com um mínimo de 6 participantes.
A lógica do percurso poderá ser alterada por razões de ordem operacional sem prejuízo para com o resultado final do mesmo.


Política de cancelamento:
Até 61 dias antes da partida, não haverá gastos.
Entre 60 e 31 dias antes da partida - penalização de 50% do valor do pacote.
A menos de 30 dias da partida - gastos totais.

Deseja receber as nossas últimas ofertas?